PERÍODO DE LUTAS.1983. 

  

“que este Deus é o nosso Deus

para todo o sempre;

ele será o nosso guia até o fim.”

Salmos 48:14

Na verdade, eu e o Abelardo,                      

erramos parecidos dentro de                       

família, ambos eram invisíveis,                        

na casa, saímos e quase ninguém                 

via. Mas sempre fui comportada                

mesmo, minha mãe sabia que                                                

não ia fazer grande coisa.                                                        

Mas não era legal chegar, e                               

não sentir que está lá dentro,                               

e por alto, sabia que algo                                  

estava acontecendo na minha                     

casa, minha mãe e meu pai, brigaram                             

muito nesta época. 

Mesmo assim fizeram uma grande                          

festa de aniversário para minha irmã                          

Gislaine de quinze anos, milhares de                      

jovens de Jataí, vieram para festa. 

Eu? Eu fiquei indignada mais uma vez,                             

mas desta vez, fiquei realmente                                    

com muita raiva, pois eu e minha                       

outra irmã Gisele, e irmãos,                                       

nunca ganhamos festa. 

                                                                           Como era como sempre a única                                         que reclamava, e reclamava muito                               

mesmo, pois falava, não é justo,                                     

  a senhora tem outras filhas, nós                             

também temos direito…

Mas como disse na casa, tinha                                       

  bode expiatório ( que cobrava muito),                         

  bode rainha ( tinha e tem os privilégios),                         

e a bode Invisível (eu, nada).

Depois disso, mudei mas ainda,                                    

virei a adolescente mais invisível.

Saía com o Abelardo mais vezes, nós                      

fizemos um grupinho pequeno dos                         

invisíveis, que se divertiam muito                                 

sem ninguém saber, mas continuava                           

sem fumar maconha! Era um namorinho de criança, simples, e ao mesmo                       

tempo intenso na conversa.

Quando do nada, minha mãe mandou                         

todos os filhos para Capital                                    

Goiânia, Goiás.                                                    

Como sou à última para saber                          

das coisas (até hoje), descobri                                  

depois que todos já sabiam a tempos,               

que meu pai estava traindo minha                          

mãe, foi uma confusão, minha                           

mãe queria separar, e mandou                    

todos para Capital.

Quando dei por mim, estava morando                        

em outra cidade enorme, trânsito para                       

todo lado, longe do Abelardo e os                        

amigos dos invisíveis, não sabia                     

fazer comida direito, tive que                      

aprender na mara, fazia é bolo,                      

pudim, não comida, e tinha que                      

estudar no Colégio Objetivo longe,                        pegando ônibus, com uns quase                           quatorze anos, no nono ano, nem                            ensino médio, não era.

Pois o normal, era enviar os filhos                               com “dezoito anos”, para capital,                             prestar Vestibular, assim fazer faculdade.

Com dezoito anos, já estariam mais                      maduros, seguros, conhecimentos                              de coisas da vida que esta idade já                       recebem.

 

Isto fez acumular muita raiva, contra                        

meus pais, que somente, quando                      

entreguei minha vida a Jesus,                          

tive que declarar, estão perdoados!                      

Jesus revelou tanta                                          

coisa, que não teria livros para escrever,                    

e Jesus com sua mansidão, me curou,                       

e sempre quando o diabo tenta                             

  trazer algo, eu digo: eu já perdoei,                                 

eu perdoo meus pais! Já está                                  

declarado diabo.

“Desde os confins da terra eu clamo a ti

com o coração abatido;

põe-me a salvo na rocha mais alta do que eu.”

Salmos 61:2