Relacionamentos                                                   no judô. 1985….

Na época de 1985, comecei a treinar                                 

judô dia a dia, até domingo estava lá, treinando, paralelo estudando                                        início do ensino médio.  

                                                                            

Conheci um judoca Wellington,                                   rapaz de uns 17 anos dentro                             

do tatame, quando ia para os                             

campeonatos do Centro- oeste,                                                  

em Mato Grosso do Sul, lá                                 

estava ele também, pois                                   

também era excelente, e ganhou                             

o Brasileiro duas vezes.  O                                    

engraçado, que eu me matava                                

de treinar, ele não, e                                               

ganhava todas, sem treinar direito.                                                            

Ele me passou algumas técnicas                             

para somente ganhar                         

competições, e me ajudou muito.                 

Conheci muitos estados                                     

e cidades do Brasil, competindo,                                  

na época Pepsi Cola, era que patrocina                             

todas as viagens.                                                                 

O sensei Shiozawa, brigava sempre                              

para vir treinar, mas só se                                                  

preparava na época. E mesmo                              

assim ganhava todas.                     

  Namoramos nestas viagens, mas                             

era um namorinho de                                          

criança, pois não deixava                                     

passar disto, e nunca deixei                                             

ele entrar no apartamento pois                        

na maioria das vezes, estava sozinha.                                                                             

Ele foi em Jataí, conheceu meus                        

pais, voltamos de ônibus namorando,                               

e no outro dia terminei,                                     

não gostava dele.

Ele estava muito convencido, se                       

achava o lindão, o melhor judoca                    

do estado, gostava de mostrar seus                      

  músculos, pois também participava do campeonato de Músculos,                              “Mister” (ganhava também).                                

Cheio de moças atrás, isso                                      

me cansava. Passados                                     

três meses, arrependi                                                  

de ter terminado com ele,                                   

voltamos, durou duas semanas                             

e ele terminou comigo, e                                  

disse: – Eu quero apenas vingar                          

por você ter terminado comigo!

  Mas que criança!  Então deixei                             

ele para lá, comecei logo                                                      

a namorar o China         (tinha uns 16 anos), meu                                         

outro colega do judô.

Comecei a participar dos atletas                               

de Cristo, e o sensei sempre me                                                                        

dando livros gospel para ler.

O mais engraçado é que                                                   

o China (que não era Chinês era só                        

apelido) era  evangélico, e dizia,                              

vamos na igreja comigo, e depois                         

vamos ao cinema.                                               

Eu na verdade, não gostava                                 

muito, mas ia, e palavra nenhuma   vazia, não é mesmo.

Isaías 55:11

“assim também ocorre com a                                                palavra que sai da minha boca:                                       ela não voltará para mim vazia,                                                  mas fará o que desejo e atingirá                                          o propósito para o                                                          qual a envi­ei.

O China era diferente, novo 

namorado nunca tentou                                         nada graças a Deus,                                          era educado, respeitador,                                             mas não tinha muita conversa,                           amizade comum, era algo como                                           irmãos, não tinha química, afinidades,                           projetos diferentes, sou sempre                          cheia de planos, até hoje, e faço                         acontecer, ele não, vivia na boa,                          tranquilão, e´seu jeito,                                             não dá mesmo.                                                                        Nós dois juntos depois do                                         culto da igreja dele, terminamos                                 na boa, juntos percebemos                                      que não dava, não tinha nada à haver.